sexta-feira, 5 de dezembro de 2008

NIBIRU O PLANETA X: MISTICISMO E REALIDADE



















































Seríamos descendentes de seres extraterrestres ?...










Isso é o que diz em todo seu conteúdo os achados arqueológicos da civilização suméria. Os sumérios foram fundadores da primeira grande civilização da




Mesopotâmia, como era chamada a região compreendida entre os rios Tigre e Eufrates, que nascem nas montanhas da Turquia e desembocam no Golfo Pérsico, onde atualmente está situado o Iraque.

A organização social dos sumérios foi literalmente responsável pelo mundo como conhecemos hoje. Muitos elementos influenciaram na formação das sociedades greco-romanas, as quais por sua vez influenciaram todo o mundo ocidental e estão fortemente presentes até os dias de hoje. Vejamos: os sumérios possuíam técnicas de arquitetura, engenharia e hidráulica, baseados em magníficos conhecimentos em matemática, física e astronomia. Seus conhecimentos astronômicos eram incrivelmente avançados: seus observatórios obtinham cálculos do ciclo lunar que diferiam em apenas 0,4 segundos dos cálculos atuais. Na colina de Kuyundjick, antiga Nínive, foi encontrado um cálculo, cujo resultado final, em nossa numeração, corresponde a 195.955.200.000.000. Um número de quinze casas! Os gregos, no auge do saber, não passaram do número 10.000, o resto seria o "infinito".












Sistema solar e o planeta x:NIBIRU

Eles desenvolveram a agricultura com técnicas de irrigação e drenagem de solo, construção de canais, diques e reservatórios; • Sistema de leis baseados nos costumes; • Habilidosas práticas comerciais; • Sistema de escrita cuneiforme, assim chamado porque escreviam em plaquetas de argila com um estilete em forma de cunha; • Sistema de unidade política das Cidades-Estados ou Estados soberanos, como Ur, Nipur e Lagash; • Sistema de hierarquias sacerdotais para organização religiosa;

As primeiras bibliotecas conhecidas no mundo foram fundadas pelos sumérios. Na cidade de Nipur, 150 km ao sul de Bagdá, foi encontrada uma biblioteca sumeriana inteira, contendo cerca de 60 mil placas de barro com inscrições cuneiformes sobre a origem da humanidad
e.

Eles também criaram os fenomenais projetos arquitetônicos denominados Zigurates que eram verdadeiros complexos piramidais englobando vários módulos de edifícios, que abrigavam desde templos religiosos até plenários políticos, construídos dentro de um bloco-célula e interligados por rampas espirais desde a base até o topo.

O maior especialista vivo, em cultura suméria, é o historiador e arqueólogo Zecharia Sitchin nascido na Rússia e criado na Palestina, onde adquiriu profundos conhecimentos de arqueologia e história oriental, é formado em história pela Universidade de Londres e um dos poucos estudiosos do mundo capacitados a traduzir a escrita cuneiforme, característica das civilizações mesopotâmicas. Tendo trabalhado como jornalista e editor em Israel e como consultor da NASA. Zecharia traduziu muito do material sumério encontrado nas suas escavações arqueológicas. E escreveu inúmeros livros contendo essas traduções. Basicamente elas revelam que a Terra, teve origem através da colisão de dois gigantescos corpos celestes, que os sumérios chamavam de Nibiru e Tiamat.










Nibiru

ORIGEM DO HOMEM ?

A órbita eliptica do planeta Nibiru


Os escritos afirmam que Nibiru, um planeta avermelhado (que já foi avistado pela NASA e atualmente vem sendo chamado de "planeta X") foi desviado de um sistema binário e capturado pela gravidade de nosso Sol. Esse planeta viajou em nosso sistema solar, abaixo da elíptica, passando por Netuno e Urano. Como seu campo magnético era muito intenso, ele deslocou Urano para seu lado quando passou por ele. Naquela época não havia o planeta Terra, mas sim um outro planeta, muito maior, Tiamat coberto quase que só de água. Os satélites de Nibiru atingiram Tiamat nas suas primeira e segunda órbitas e o dividiu em duas partes, pulverizando a metade onde ele foi atingido (criando um cinturão de asteróides) e empurrando a outra metade achatada para uma órbita mais baixa, a atual órbita da Terra.

Isso explica porque o Oceano Pacífico é tão vasto e profundo e porque os continentes estão se movendo tão rapidamente se comparados aos outros planetas. A Terra está se recuperando de um colisão interplanetária! Plutão era uma lua de Saturno que foi arrancada de sua gravidade e empurrada para a sua atual órbita. Em fevereiro de 2000, chegava ao fim a "Missão Near" (sonda Near) da NASA, chefiada pelo Dr. Cheng, confirmando esta gigantesca trombada celeste no início do nosso sistema solar (catastrofismo). Nibiru tem um período orbital de 3.600 anos se comparado com a Terra e na realidade está orbitando dois sóis. O nosso Sol é um foco e o gêmeo morto do nosso Sol, em algum lugar distante no espaço, é o outro foco da órbita. Os sumérios descreveram-no como sendo quatro vezes maior do que a Terra, de cor avermelhada, e responsável por grandes catástrofes, no nosso planeta, quando fazia a sua passagem através de nosso sistema solar.

Eles explicam que a passagem desse planeta foi a causa do dilúvio citado na Bíblia, devido a um deslocamento polar na Terra. Em um de seus livros publicados, "O Gênesis Revisitado", Sitchin revela detalhadamente o conteúdo das tábuas sumérias, que descrevem os eventos cósmicos que culminaram na formação da Terra. Os sumérios possuíam informações precisas sobre o nosso sistema solar, desde o início de sua formação até a configuração atual. Detalhes impressionantes, como a composição química e orgânica de mundos como Netuno e Plutão, que era na verdade um satélite de Saturno "desprendido" e "capturado" para uma nova órbit
a.

Esse conhecimento seria possível há 3 mil anos atrás?

Obviamente não a partir de observações terrestres! Esses dados só poderiam ter sido transmitidos aos sumérios porque não havia meios de obter essas informações.

Quem teria transmitido esse conhecimento?

Em 1983, o Satélite Astronômico Infravermelho (IRAS) fotografou um grande objeto na imensidão do espaço. O astro seria tão grande quanto Júpiter e provavelmente poderia fazer parte do nosso Sistema Solar. Em 1987, a Agência Espacial Norte-Americana (NASA) admitiu, oficialmente, a existência do chamado Planeta X, o mesmo Nibiru, da cultura suméria. Em uma conferência realizada no Centro de Pesquisas Ames, na Califórnia, o pesquisador John Anderson declarou: - "Um décimo segundo planeta pode estar orbitando o Sol. Sua localização seria três vezes a distância entre o Sol e Plutão"
. Recentemente a sonda norte-americana Soho e a sonda russa Norlok, registram o gigante Nibiru.

A questão é delicadíssima. De um lado temos escritos de milhares de anos sobre a formação da Terra, com informações astronômicas confirmadas pelo mais capacitado tradutor de línguas antigas, que se tem notícia e do outro lado temos a discreta confirmação dessas informações pela maior agência espacial do mundo. A questão da origem do planeta Terra e da humanidade é extremamente delicada, porque ameaça completamente a estrutura social moderna. O conhecimento da humanidade, sobre si mesma, é sustentado pela ciência ou pela religião. Pelo empirismo ou pela fé.

SERIA ESSA A VERDADEIRA ORIGEM DO HOMEM ?

A escrita cuneiforme dos Sumérios


A ausência de entendimento entre os dois segmentos criou um abismo social que divide os homens, no que diz respeito à verdade sobre sua própria origem. Além do fato de que tanto a ciência quanto a religião se tornaram instrumentos de poder para grupos interessados em dominar as grandes massas populares. Sistematicamente, os dois têm ocultado ou distorcido, ao longo da historia, informações sobre a origem do homem no planeta. No campo científico, homens como Charles Darwin, induziram a humanidade a acreditar que o homem evoluiu progressivamente e naturalmente de um tipo de antropóide que teria sofrido mutações, assim como outras diversas espécies de animais, para se adaptarem as mudanças geofísicas sofridas pela Terra no passado.

Até aí tudo coerente, porém Darwin, precipitadamente concluiu que os seres poderiam sofrer qualquer transformação para se adaptarem. Para ele um lêmur voador poderia se transformar em um morcego, sobre uma determinada circunstância: - "Não vejo qualquer dificuldade em acreditar na possibilidade de que a seleção natural possa desenvolver a membrana no lêmur voador, até transformá-la num verdadeiro membro alado, à semelhança do que deve ter ocorrido com o morcego." Seguindo essa linha de pensamento ele concluiu que um símio poderia ter perdido os pêlos, a cauda, ter erguido a coluna vertebral, ficado inteligente e se tornado homem de maneira natural. Sem o que Sitchin chamaria de "intervenção genética externa".

Atualmente o Darwinismo também tem sido chamado de "teoria da origem inferior das espécies". A antítese ao "evolucionismo" de Darwin é a "teoria da origem superior das espécies", uma variação da teoria criacionista, baseada nas descobertas de fósseis humanos descomunais e outros sem-número de achados arqueológicos encontrados em várias partes do mundo, que confirmam que humanóides gigantescos já habitaram esse planeta, num passado remoto. Zecharia Sitchin, tem dedicado sua vida a eliminar o abismo existente entre o conhecimento religioso e o científico, a respeito desse assunto e tem provado que as duas teorias têm os mesmos dados em comum, porém obtidos de maneiras diferentes, em épocas diferentes e transmitidos de modo diferente.

Esse abismo, a verdade sobre a criação do homem na Terra, seria a verdade oculta sobre o "Adão" bíblico e sobre o "elo perdido" biológico, enquanto homens primordiais da Terra. Sitchin, termina preencheu essa lacuna, traduzindo o conhecimento sumério e revelando que a raça humana atual foi criada através de experiências genéticas por uma avançada raça de humanóides alienígenas num passado remoto. "Adão" (do sumério "Adapa", "raça primordial" e "Adamo", o "homem primordial") e o "elo perdido" seriam exatamente o mesmo ser, criado através da manipulação genética do primata hominídeo, original da Terra.

Em um breve resumo da cosmogonia suméria, na tradução de Zecharia Sitchin, o homem foi criado pelos gigantes extraterrestres Anunnaki, do planeta Nibiru, que devido ao desgaste no seu ecossistema, decidiram iniciar um processo de colonização no nosso planeta, com o objetivo de extrair recursos minerais terrenos, para solucionar seus problemas naturais. Em aproximadamente 445 mil a.C., os primeiros Anunnaki chegam à Terra, liderados pelo mega-cientista ENKI e montam a base de operações ERIDU (a "distante morada construída"), ao norte do Golfo Pérsico, com o objetivo de explorar ouro no fundo das águas. O ouro não possuía valor monetário para os Anunnaki. O metal seria processado e utilizado sob a forma de partículas em suspensão para proteger a atmosfera de seu planeta natal, deteriorada pelos excessos tecnológicos daquela raça.

Em tempos atuais, as janelas dos ônibus espaciais norte-americanos recebem uma fina camada de partículas de ouro, para proteger os astronautas da radiação solar. Todavia, ENKI não obteve sucesso na exploração das águas do golfo, então uma segunda expedição, liderada pelo seu meio-irmão, ENLIL, vem à Terra e monta uma base de operações onde hoje se situa o Zimbábue, na África, para explorar o ouro em minas subterrâneas. Livre das obrigações com a mineração, ENKI e seu grupo de Anunnaki, transforma a região do Golfo Pérsico, em um complexo operacional.

Por volta de 400 mil a.C., já existiam sete bases no sul da Mesopotâmia, além de um espaço-porto num local chamado Sippar e um centro de controle da missão, chamado Nippur, além dos centros metalúrgico e médico. Todavia, apesar do sucesso nas minas africanas, o trabalho de mineração era rejeitado pelos Anunnaki comandados por ENLIL, que na realidade eram astronautas e não operários. Sendo assim, inevitáveis conflitos de autoridade e disputas de poder, eclodiram entre os alienígenas. Pressionado pelas situação, ENLIL se reuniu com seu pai e patriarca dos Anunnaki, ANU e seu meio-irmão ENKI, decidido à abandonar o trabalho na Terra e retornar ao seu planeta. ENKI, o mais brilhante cientista anunnaki, sugeriu uma solução para a crise entre os alienígenas.

Afirmando ser capaz de manipular geneticamente um tipo de hominídeo primitivo que habitava a região do Zimbábue e à partir dele, "criar" um novo tipo de humanóide inteligente, capaz de aprender e realizar o trabalho nas minas. - "Façamos um ser à nossa imagem e semelhança!". ENKI e a médica geneticista NINTI, partiram para o laboratório na base de operações africana, mas antes de utilizar o primata, realizaram várias experiências usando material genético anunnaki e de outras espécies de animais, para testar suas habilidades científicas. O resultado desses testes foram "quimeras", ou aberrações, que não convém citar aqui. "Satisfeitos" com os resultados de seus "testes", ENKI e NINTI, partiram para o estágio de experiências com os hominídeos.

Fecundando óvulos de fêmeas primatas com sêmen anunnaki em avançados processos onde os genes alienígenas eram preservados na célula-ovo. A gestação era inicialmente feita no útero de fêmeas anunnaki e os cientistas obtiveram êxito no trabalho. Desenvolveram com sucesso os primeiros humanos híbridos. Machos e fêmeas, que, no entanto, eram estéreis, incapazes de se reproduzir. Em tempo, um grupo foi mantido nas minas e o outro levado para as bases na Mesopotâmia. Posteriormente, os cientistas anunnaki criaram uma segunda geração capaz de se reproduzir, a levou para a base EDIN ("Éden", a "morada dos justos") e a instruiu com o conhecimento sobre sua natureza e função biológicas. "Adão e Eva desfrutavam do fruto proibido".

SERIA VERDADEIRA ?

Temendo o pior, o altos anunnaki, os "Elohin", da Bíblia, decidiram cercear a liberdade dos humanos, os "expulsando "do Éden. ENKI, o grande cientista, a "serpente iniciadora", que tinha como símbolo de seu ofício o Caduceu (o símbolo da medicina moderna, o cajado com duas serpentes entrelaçadas, representando dois filamentos de DNA que foi trazido para o Ocidente da Suméria) foi aquele que instruiu o "Adamu", a raça primordial. Evidentemente o Planeta Terra se tornou um lar para os anunnaki. Por milhares de anos, esses gigantes governaram os homens. Mesmo adaptados ao planeta, o relógio biológico anunnaki permanecia funcionando como em seu mundo natal.

Um ciclo de 3.600 anos terrestres equivaliam a um ano para esses seres e a sua incrível longevidade fazia com que parecessem imortais aos olhos humanos. "Deuses imortais". Contudo, os Senhores da Terra, os anunnaki, desenvolveram inevitáveis e estreitos laços afetivos com os humanos. Os contatos sexuais com as fêmeas humanas, de agradável aparência física, se tornaram freqüentes. O resultado desse contato foi o surgimento de uma raça de humanos gigantes, híbridos. Os Nefilins, os anjos caídos!

Esse comportamento "promíscuo" causou o descontentamento do patriarca ANU. Moisés, herdeiro direto do conhecimento sumério descreveu: - "Quando os filhos dos deuses viram que as filhas dos homens eram bonitas, as tomaram como esposas". Somado à isso, as disputas pessoais, entre os clãs anunnaki, devido às divisões hierárquicas e territoriais levaram o supremo governante ANU, tomado pela ira, a uma decisão terrível. - "Viu o Senhor que era grande a maldade do homem na terra, e que toda a imaginação dos pensamentos de seu coração era má continuamente. Então arrependeu-se o Senhor de haver feito o homem na terra, e isso lhe pesou no coração. E disse o Senhor: Destruirei da face da terra o homem que criei, tanto o homem como o animal, os répteis e as aves do céu; porque me arrependo de os haver feito." Gênesis 6:1,7.

ANU, sabendo que seu planeta natal estava se aproximando da órbita da Terra e que haveria um poderoso cataclisma, ordenou que todos os Anunnaki abandonassem a Terra e deixassem a humanidade perecer. ENKI, chamado pelos mesopotâmios de "Iahweh" (Jeová), quebrou o código de fidelidade Anunnaki e designou, secretamente, Ziusudra, um humano de sua confiança para construir um veículo aquático submergível, capaz de suportar a violência das águas da Terra, agitadas pela força gravitacional de Nibiru, durante sua passagem. ENKI, forneceu tecnologia e o auxiliou no projeto, ordenando que ele reunisse sua família e um seleto grupo de humanos mais uma variedade de diferentes espécies animais para embarcarem no veículo, a fim de sobreviverem ao cataclisma e reconstruírem a civilização.

Ziusudra, o Noé bíblico, e seu grupo tiveram êxito, mas não o resto da humanidade. Os Anunnaki assistiram ao cataclisma de suas naves, estacionadas na órbita da Terra e sentiram dor e tristeza pelo socorro negado à humanidade. Após o evento, ANU decidiu retornar à Terra para reconstruir as bases anunnaki e ficou surpreso ao constatar que havia sobreviventes e que estes foram ajudados pelo seu filho ENKI. Novamente ficou tomado pela ira, mas dessa vez foi convencido por ENKI que os sobreviventes seriam úteis na reconstrução das bases. Em 10.500 a.C., logo após o dilúvio, três regiões foram concedidas aos filhos de Noé. Enquanto isso, ENKI recuperava o Vale do Nilo. A Península do Sinai ficou nas mãos dos annunaki, pois eles pretendiam construir um espaço-porto para substituir àquele destruído pelo dilúvio. Um novo centro de controle é instalado no Monte Moriá, futura Jerusalém.

Durante a recolonização anunnaki, os conflitos de interesses entre os descendentes de ENLIL e ENKI se tornavam cada vez mais agressivos. Por volta de 8.700 a.C. os primeiros venceram uma disputa, apoderaram-se do Monte Sinai e esvaziaram a grande pirâmide de seus equipamentos. Prenúncio de mais e mais conflitos. Quase 5 mil anos mais tarde, em 3.760 a.C., a humanidade cresce e assume o governo das cidades. A civilização suméria floresce na Mesopotâmia, com grande esplendor. Em 3.450 a.C., a Babilônia torna-se o portão dos deuses, ou seja, um local para pouso e contato entre os annunaki extraterrestres e o homem.

Nessa época, acontece o incidente da Torre de Babel. Um grupo de humanos se apoderou clandestinamente de uma espaçonave e contrariando as ordens dos annunaki, tentaram voar ao espaço, mas foram impedidos. No ano de 3.100 a.C., começa o governo dos faraós no Egito. Em 2.371 a.C., inicia o Império Acadiano, liderado pelo rei Acad Terah nasceu em Nippur, cidade fundada pelos annunaki, em 2.193 a.C. Em 2.123 a.C., Após muitas guerras envolvendo humanos e alienígenas, ANU e a alta cúpula anunnaki novamente decidiram por destruir a civilização terrena e desta vez utilizando armas. Revoltados com a insubordinação dos homens, ativaram uma terrível arsenal nuclear em 2.023 a.C. que destruiu a Suméria, Babilônia e demais cidades da região.

Possivelmente nesse período, ocorreu também a ruína de Sodoma e Gomorra. - "Sodoma e Gomorra, e as cidades circunvizinhas, que, havendo-se prostituído como aqueles anjos, e ido após outra carne, foram postas como exemplo, sofrendo a pena do fogo eterno." (Judas 1:7) As civilizações hebraicas, fizeram várias citações bíblicas aos Anunnaki. E seus descendentes foram chamados de "Nefilins, os anjos caídos! Aqueles que desceram dos céus para cruzarem com as mulheres dos homens!" A descoberta de magníficos fósseis humanos gigantescos, com o dobro, as vezes o triplo, do tamanho das espécies congêneres atuais inquestionavelmente fortalecem a "teoria da origem superior das espécies", confirmando os textos sumérios. Achados arqueológicos de milhares de anos, como ossos, pegadas fossilizadas e até múmias, são provas irrefutáveis de que homens gigantescos viveram há milhares e milhares de anos, no planeta e deixaram sua herança genética na raça humana.

A VERDADEIRO MISTÉRIO

Gigantesco esqueleto de um extraterrestre encontrado ao sudoeste da Arábia Saudita


Cito aqui trechos da Bíblia falando dos gigantes que existiram em épocas imemoriais do planeta Terra. Saliento que a Bíblia não deve ser considerado um livro espiritual ou religioso. A Bíblia na realidade é uma compilação histórica. É um amálgama de eventos históricos acontecidos em um passado remotíssimo.

"Esses nefilins eram os valentes, os homens de renome, que houveram na antigüidade." Gênesis 6.4 "Antes haviam habitado nela os emins, povo grande e numeroso, e alto como os anaquins; eles também são considerados refains como os anaquins; mas os moabitas lhes chamam emins." Deuteronômio 2.10-11 "Porque só Ogue, rei de Basã, ficou de resto dos refains; eis que o seu leito, um leito de ferro, não está porventura em Rabá dos amonitas? O seu comprimento é de nove côvados [4 metros], e de quatro côvados [1,78 metros] a sua largura, segundo o côvado em uso." Deuteronômio 3.11 "Também vimos ali os nefilins, isto é, os filhos de Anaque; éramos aos nossos olhos como gafanhotos; e assim também éramos aos seus olhos." Números 13.33 "Então saiu do arraial dos filisteus um campeão, cujo nome era Golias, de Gate, que tinha de altura seis côvados e um palmo [2,89 metros]." 1 Samuel 17.4.

Sem sombra de dúvida, as gritantes marcas da atividade dos anunnaki e de seus descendentes, os nefilins, estão espalhadas pelo mundo. Desafiando a nossa medíocre compreensão. Impossível ignorá-las! Tantas provas incontestáveis da atividade de seres extra-terrestres, em diversos lugares do planeta, são conhecidas e pesquisadas pelos governos das grandes nações. Não obstante o silêncio a respeito do assunto, há várias décadas Alemanha, França, Inglaterra, Russia e especialmente os EUA, e recentemente Japão, India e China, vêm desenvolvendo uma poderosa estrutura de pesquisa e ocultamento dessa realidade.

Parece um paradoxo que, ao mesmo tempo em que os segmentos científicos, tão desenvolvidos nesses países, refutem a possibilidade de haver vida inteligente fora da Terra, os governos e as centrais de inteligência militar, desses mesmos países, empreendam verdadeiras cruzadas para tentar controlar as informações sobre as evidências desse fato. E, se, os líderes politicos apenas há poucas décadas têm se organizado para manipular a verdade sobre essa realidade, os líderes das religiões mais antigas, em especial, hindus, islâmicos e católicos, maiores herdeiros do conhecimento mesopotâmico, há centenas de anos vêm controlando as informações, contidas nos textos védicos, no alcorão e na bíblia, sobre a realidade da atividade alienígena na Terra, principalmente sobre a criação da raça humana e a origem do homo-sapiens.

Se, de fato, o assunto é tão relevante assim, por que não há um trabalho em conjunto entre governos e os segmentos científicos e religiosos, para colocar a humanidade a par da verdade sobre sua própria origem? A resposta é simples! Porque a revelação de que humanóides alienígenas, conhecedores de tecnologias avançadíssimas, há milhares, possivelmente milhões de anos, colonizaram a Terra e participaram na formação da raça humana, causaria a ruína de todo o establishment contemporâneo. De todo o sistema social. Todas as instituições entrariam em colapso, porque fraudes milenares seriam descobertas.

O que aconteceria se as pessoas tomassem conhecimento de que são herdeiras genéticas de alienígenas? O que aconteceria se a humanidade se conscientizasse de que foi feita à imagem e semelhança de uma raça extraterrena? Poderes seculares alienadores e manipuladores como o fundamentalismo islâmico ou o catolicismo ficariam definitivamente comprometidos. O problema é que a mente humana, atualmente, está atrofiada! A maioria das pessoas não consegue raciocinar sobre o fato de que os feitos da ciência moderna como, mapeamento de código genético, clonagem, transplantes, podem ser apenas rascunhos de uma tecnologia muito mais avançada, realizada nesse planeta, há milhares de anos.

Para a grande maioria das pessoas, que desconhece o fato de que nações milenares, como a Suméria e o Egito faraônico, dominavam a medicina, a física, a matemática e astronomia, entender essa realidade seria extremamente difícil, mas para quem conhece o trabalho de Zecharia Sitchin, não. Nos textos das tábuas sumérias são descritas com riqueza de detalhes as atividades de colonização dos alienígenas anunnaki, os elohin, que culminaram com a criação do homo-sapiens.


Leia os livros de Zechari Sitchin. Vale a pena.
....
O décimo Segundo Planeta (The 12th Planet )
A Escada para o Céu (The Stairway do Heaven)
Guerras de Deuses e Homens (The Wars of Gods and Men)
Os Reinos Perdidos (The Lost Realms)
Gênesis Revisitado (Genesis Revisited)
Encontros Divinos (Divine Encounters )
Código Cósmico (The Cosmic Code )


SOBRE O 12º PLANETA : NIBIRU




















Em épocas primevas, quando nosso sistema solar ainda era jovem, um grande planeta surgiu vindo do espaço sideral e foi atraído por ele. Os sumérios chamavam esse invasor de NIBIRU, ou seja, “O Planeta da Travessia”; os babilônicos lhe davam o nome de Marduk. Quando ele estava passando pelos planetas externos de nosso sistema solar, sua trajetória se encurvou devido à força de atração, o que o colocou em rota de colisão com um velho membro do sistema solar, um planeta chamado Tiamat. Quando os dois se aproximaram, os satélites de Marduk/NIBIRU cortaram Tiamat ao meio. Sua parte inferior foi esmigalhada em pedaços pequenos e esses restos planetários formaram os cometas e o cinturão de asteróides – o “bracelete celeste” que orbita entre Júpiter e Marte. A parte superior de Tiamat e o principal satélite desse planeta foram atirados numa nova órbita, tornando-se a Terra e a Lua.

Marduk/NIBIRU, intacto, foi capturado numa vasta órbita elíptica em torno do Sol, o que o faz voltar ao local da “batalha celeste”, entre Júpiter e Marte, a cada 3.600 anos terrestres. E foi assim que nosso sistema solar ficou com doze corpos celestes – o Sol, a Lua (que os sumérios consideravam um corpo celeste por seu próprio direito), os nove planetas que conhecemos e o 12º: Marduk/NIBIRU....



Quando Marduk/NIBIRU invadiu nosso sistema solar, trouxe com ele a semente da vida e, na colisão com Tiamat, um pouco dessa semente passou para sua parte que sobreviveu – o planeta Terra. Ao se desenvolver, essa vida começou a copiar a evolução em Marduk/NIBIRU e foi por isso que, quando na Terra a espécie humana estava em seus primórdios, em Marduk/NIBIRU os seres inteligentes já tinham atingido altos níveis de civilização e tecnologia.

Era do 12º membro do sistema solar, diziam os sumérios, que os astronautas tinham vindo à Terra – os “Deuses do Céu e da Terra”. E foi a partir das crenças dos sumérios que todos os outros povos da Antiguidade adquiriram seus deuses e suas religiões. Esses deuses, afirmavam os sumérios, tinham criado a Humanidade e posteriormente lhe dado a civilização, ou seja, todo o conhecimento, todas as ciências, inclusive uma parcela incrível de uma astronomia sofisticada.








Esse conhecimento astronômico abrangia o reconhecimento do Sol como o corpo central do nosso sistema planetário e a cognição de todos os planetas que conhecemos atualmente, inclusive os externos – Urano, Netuno e Plutão – que são descobertas relativamente recentes da astronomia moderna e não poderiam ter sido observados e identificados a olho nu. E, tanto nas listas e textos planetários, bem como em descrições pictográficas, os sumérios insistiam na existência de mais um planeta – NIBIRU, Marduk – que no ponto de sua órbita mais próximo da Terra passava entre Marte e Júpiter.

A sofisticação em conhecimento celeste – que os sumérios atribuíam aos astronautas vindos de Marduk/NIBIRU – não era limitada à familiaridade com o sistema solar. Havia o universo infinito, cheio de estrelas. Foi na Suméria – e não séculos depois, na Grécia, como se imaginava – que pela primeira vez as estrelas foram identificadas, agrupadas em constelações e localizadas nos céus, recebendo nomes. Todas as constelações que atualmente vemos no céu do hemisfério norte e a maioria das do hemisfério sul estão listadas nas tabulas astronômicas dos sumérios – em sua ordem correta e com os mesmos nomes que usamos até hoje.

Fonte: A Escada Para o Céu, Zecharia Sitchin, Editora Best-S



“Uma visita ao hospício mostra que a fé não prova nada.” Friedrich Nietzsche

“A idéia de um ente supremo que cria um mundo no qual uma criatura deve comer outra para sobreviver e, então, proclama uma lei dizendo: ‘Não Matarás’ é tão monstruosamente absurda que não consigo entender como a humanidade a tem aceito por tanto tempo.” Peter de Vries

“Para os peixinhos do aquário, quem troca a água é Deus.” Mário Quintana

“Governar acorrentando a mente através do medo de punição em outro mundo é tão baixo quanto usar a força.” Hipácia

“Eles vieram com uma Bíblia e sua religião – roubaram nossa terra, esmagaram nosso espírito... e agora nos dizem que devemos ser agradecidos ao ‘Senhor’ por sermos salvos.” Chefe Pontiac

“...se Deus existisse, só haveria para ele um único meio de servir à liberdade humana: seria o de cessar de existir.” Bakunin

“Se as pessoas são boas só por temerem o castigo e almejarem uma recompensa, então realmente somos um grupo muito desprezível.” Einstein

“Se 5 bilhões de pessoas acreditam em uma coisa estúpida, essa coisa continua sendo estúpida.” Anatole France

“Os deuses são a encarnação do que nunca poderemos ser. O cansaço de todas as hipóteses...” Fernando Pessoa

“Deus é um ser mágico que veio do nada, criou o universo e tortura eternamente aqueles que não acreditam nele, porque os ama.” Steve Knight

“A religião nunca será capaz de reformar a humanidade porque religião é uma escravidão.” Ingersoll

“Se é certo que um Deus fez este mundo, não queria eu ser esse Deus: as dores do mundo dilacerariam meu coração.” Schopenhauer

“A fé é um eufemismo para preconceito e a religião é um eufemismo para superstição.” Paul Keller

“Por simples bom senso, não acredito em Deus. Em nenhum.” Charles Chaplin

“O jeito de ver pela fé é fechar os olhos da razão.” Benjamin Franklin

“Religião é uma coisa excelente para manter as pessoas comuns quietas.” Napoleão Bonaparte













Nibiru

“Livre-se de todos os medos e preconceitos diante dos quais as mentes fracas se curvam servilmente. Instale a razão firmemente em sua cátedra e traga diante do seu tribunal todo fato. Questione com coragem até mesmo a existência de um deus, porque se existe um, ele deve aprovar a precedência da razão sobre o medo cego”.
Thomas Jefferson

"Não é possível convencer um crente de coisa alguma, pois suas crenças não se baseiam em evidências; baseiam-se numa profunda necessidade de acreditar." Carl Sagan

"Eu acredito que a disseminação do catolicismo é o meio mais horrível de degradação política e social deixado no mundo." Charles Dickens"

"O homem, em seu orgulho, criou Deus à sua imagem e semelhança." Friedich Nietzche

"O homem procura um princípio em nome do qual possa desprezar o homem. Inventa outro mundo para poder caluniar e sujar este; de fato só capta o nada e faz desse nada um Deus, uma verdade, chamados a julgar e condenar esta existência." Friedich Nietzche

"O maravilhoso da guerra é que cada chefe de assassinos faz abençoar suas bandeiras e invoca solenemente a Deus antes de lançar-se a exterminar o seu próximo."
Voltaire

"Não acredito em Deus nem em vida após a morte." Caetano Veloso

"As religiões são todas iguais - fundadas sobre fábulas e mitologias." Thomas Jefferson

"Tenho de proclamar a minha incredulidade. Para mim, não há nada de mais elevado que a idéia da inexistência de Deus. O Homem inventou Deus para poder viver sem se matar." Feodor Dostoievski (Dostoiesvski erra num pedaço, acho que o homem inventou Deus para aprender a matar melhor e ser perdoado se fizer isso em nome Dele)

"Negar a Deus será a única forma de salvar o mundo." Friedich Nietzche

"Os homens sentem uma grande atração pela esperança e pelo receio, e uma religião sem inferno nem paraíso não poderia agradar-lhes de modo algum." Montesquieu

"A crença em Deus subsiste devido ao desejo de um pai protetor e por imortalidade, ou como um ópio contra a miséria e sofrimento da existência humana." Sigmund Freud


5 comentários:

Ale Ribeiro disse...

muito bom... tirei várias dúvidas sobre este assunto, meus parabêns... meu msn: al_burlington@hotmail.com

nelson disse...

Realmente esclareceu uma duvida antiga que eu tinha e nenhuma religião me soube explicar
" Se on paraiso, Abel matou o irmão ou vice-verso, de onde saiu a mulher para casar com ele, se só existiam os 04?
E lendo e me informando com clareza
agora pude compreender os fatos osbtruidos pelas religiões e governantes.

E disse...

Belo texto. Melhor ainda as frases das personalidades famosas.

eduardo costa disse...

Tenho uma paixão incrível sobre os sumérios e os "deuses" Anunnakis. Lí avidamente inúmeros artigos na internet, mas explica-me uma coisa: atualmente fala-se bastante de outros dois tipos de alienígenas atuantes aqui na Terra, os Grey (cinzas) e os Reptilianos. Muitos dizem que os Reptilianos são do planeta Nibiru e não os Anunnakis...então? outra questão intrigante a mim, se a cada 3.600 o planeta Nibitu Aproxima-se perigosamente da Terra, ocasionado desastres inimagináveis, o que aconteceu na sua última passagem, a cerca de 1.600 AC? acredito que a civilização humana da época deixaria algum tipo de registro, principalmente os egípicios, não acha?

Aguardo retorno

Obrigado

eduardo.monfredinni@hotmail.com

nevesfreitasalvimar disse...

Nada acontece ao acaso,leia sobre Taímati antiga terra. Anunakis seres hibrídos que, vê este planeta como base para extração de ouro matéria necessária ao seu Planeta e criam uma raça de seres adamicos(homem feito de barro)ou adamp( homem vermelho). Más tudo tem um propósito, Sócrates nos disse nunca pare de buscar a verdade, e qual e a verdade?Se escreve com quatro letras, se você descobrir e por em prática, deve ser maravilhoso o que pode ser proporcionado a nós. Tente, porque eu estou tentando...