quarta-feira, 18 de fevereiro de 2009

Gás Metano em Marte: Vida?

.SISTEMA SOLAR.

.

.Nosso Sistema solar e seus 9 planetas.

Vejamos alguns em imagens embora nosso assunto seja sobre Marte e a presença de gás metano em sua superfície.



.


.SOL.


.MERCÚRIO..

É o planeta mais próximo do Sol. Essa vizinhança dificulta que ele seja observado da Terra, pois acaba ofuscado pelo brilho solar. O seu período de rotação corresponde a dois terços do período de translação em torno do Sol. Em razão de seu movimento rápido, recebe o nome do mensageiro dos deuses romanos.

Também é o planeta mais quente e denso do Sistema Solar, com o seu núcleo composto por ferro. Parte dele é parcialmente liquefeita e gera, como um dínamo, o campo magnético em torno de Mercúrio. De superfície formada por crateras e falhas, a sua atmosfera é muito tênue, incapaz de frear as quedas dos meteoritos sobre o seu solo...

.


..VÊNUS.


o planeta a partir do Sol. Conhecido desde a Antiguidade recebe o nome da deusa romana da beleza e, no Brasil, de Estrela-d’Alva, no uso popular. De tamanho quase idêntico ao da Terra, é o planeta mais próximo dela, a uma distância mínima de 41 bilhões de quilômetros. Visto da superfície terrestre, é o corpo celeste mais brilhante depois do Sol e da Lua. O planeta gira em seu eixo, no sentido contrário ao da Terra. A pressão atmosférica é cerca de 90 vezes maior que a da Terra; a temperatura média é de 480°C. A atmosfera venusiana, composta por 97% de gás carbônico, além de pequenas porções de nitrogênio e água, impede a dispersão de grande parte do calor para o espaço. O planeta não conta com um campo magnético próprio, mas tudo indica que os ventos solares geram uma magnetosfera a seu redor..

..


.TERRA..


.MARTE..


.JUPTER...


SATURNO.


.URANO..


.NETUNO.


.PLUTÃO

.........................

GÁS

METANO

EM

MARTE..

.http://www.astronomusbrasilis.astrodatabase.net/Image/img-noticias/20060421-marte.jpg.


Domingo, 9 de abril de 2006, 17h20 Atualizada às 21h31
Sonda MRO tira primeira foto em cores de Marte
.

..




Cientistas da Nasa anunciaram no jornal Science que grandes quantidades de gás metano foram detectadas em Marte por telescópios. A substância havia sido encontrada na atmosfera de Marte há cinco anos, e os cientistas descobriram que o gás é mais abundante em determinadas partes do planeta.


.http://galileu.globo.com/edic/160/imagens/marte_04.jpgGás metano detectado em Marte pode indicar sinais de vida.


[Imagem: NASA/Susan Twardy]














A NASA anunciou a descoberta de metano em Marte, emanando de pontos específicos do solo, mas com uma larga distribuição ao longo da superfície do planeta.http://joelteixeira.net/wp-content/uploads/2009/01/mars.jpg..

A presença do gás pode implicar a existência de atividades geológicas e até biológicas em Marte. Na Terra, cerca de 90% do metano é produzido por organismos.

Em alguns locais, a quantidade de metano encontrado em M

arte chega a ser comparável à encontrada na atmosfera da Terra..

...

..
Também há uma explicação não-biológica para a possível existência de metano em Marte. Um tipo de rocha, chamada olivina, pode reagir com a água e o dióxido de carbono da atmosfera, para formar serpentina - um outro tipo de rocha. As condições para isso podem existir alguns quilómetros abaixo da superfície. A fotografia (em cores falsas) mostra depósitos de olivina (em violeta). .




Origens do metano marciano.

..

Os cientistas não sabem ainda com certeza qual é a fonte do metano marciano, mas a imagem ao lado tenta dar uma idéia de uma das possibilidades. A água no subsolo, o dióxido de carbono e o calor interno do planeta combinam-se para liberar o gás

.Na Terra, o metano tem origem primordialmente biológica; em Marte, ele poderia sinalizar a presença de micróbios vivendo em grande profundidade no subsolo. As mais recentes pesquisas sugerem que o metano marciano esteja concentrado tanto no espaço quanto no tempo - como uma série de pontos de concentração de centenas de quilômetros de extensão, formando plumas de fumaça de metano que florescem e se dissipam em menos de um ano.
.http://centroufologicotaranto.files.wordpress.com/2009/01/marte.jpg.

Embora não haja qualquer evidência da existência atual de vulcões no planeta, o metano pode ter ficado aprisionado em "cavernas" de gelo por bilhões de anos, e agora estar sendo liberado. Mas, segundo os cientistas, mais estudos serão necessários para determinar com certeza a origem do metano marciano



.http://www.colegiocezanne.com.br/Intermatica/Arquivos/20076ano31marte.jpg...

Marte, um planeta vivo

O metano, cuja molécula é formada por quatro átomos de hidrogênio ligados a um átomo de carbono, é de grande interesse dos astrobiólogos (cientistas que buscam vida fora da Terra) porque os organismos vivos liberam grandes quantidades de metano quando digerem nutrientes.

Contudo, processos puramente geológicos também podem liberar o gás, como é o caso da oxidação do ferro.

Ainda que o metano não se origine de organismos vivos, o achado significa que o planeta é vivo em termos geológicos, com atividades de sub-superfície que ainda deverão ser estudadas e conhecidas.

"Neste momento, nós não temos informações suficientes para dizer se a biologia ou a geologia, ou ambos, estão produzindo o metano em Marte. Mas ele nos diz que o planeta continua vivo, ao menos em sentido geológico," explica Michael Mumma, cientista da NASA.

Se organismos marcianos estiverem realmente produzindo o metano, eles provavelmente residem muito abaixo da superfície, onde é quente o suficiente para que a água permaneça em estado líquido. A água em estado líquido, assim como uma fonte de energia e um suprimento adequado de carbono, são necessários para manter todas as formas de vida conhecidas pelo homem.

Comparável ao metano da Terra

A detecção foi feita com espectrômetros de infravermelho de alta dispersão a partir de três telescópios diferentes, que monitoraram cerca de 90% da superfície do planeta durante três anos marcianos - o equivalente a sete anos terrestres.

.http://4.bp.blogspot.com/_eMBdJVlBjVo/SQi-RVrQ1PI/AAAAAAAAA2E/b9__a1RpYIk/s320/Metano+em+marte.jpg..

Os dados foram comparados com outros informações coletadas pela sonda Mars Express, que se encontra em órbita de Marte.

Em um momento durante o período analisado, a coluna de gás primária emanando do solo continha cerca de 19 mil toneladas de metano, o que é comparável com a quantidade de metano liberada por uma bacia petrolífera na Califórnia. As emissões de metano foram observadas em 2003, mas só agora os cientistas concluíram a análise de todos os dados coletados.


Bibliografia:
Strong Release of Methane on Mars in Northern Summer 2003
Michael J. Mumma, Geronimo L. Villaneuva, Robert E. Novak, Tilak Hewagama, Boncho P. Bonev, Michael A. DiSanti, Avi M. Mandell, Michael D. Smith
Science
January 15 2009
Vol.: Published online
DOI: 10.1126/science.1164014

.

Existem duas possíveis explicações para a existência do gás em Marte. Uma delas seria que a simples interação entre rochas e água poderia liberar o gás através de fendas na superfície.

A outra explicação seria que colônias de organismos microscópicos estariam vivendo abaixo da superfície do planeta e expelindo gás metano, como fazem animais maiores na Terra.

"O gás metano pode ser gerado e expelido por micróbios, mas também pode servir de alimento para micróbios consumidores de metano", afirmou Lisa Pratt, astrobióloga da Nasa.

"Portanto, de um jeito ou de outro, isso é empolgante porque temos evidências que nos levam a pensar sobre a possibilidade de existir vida em Marte", acrescentou.

"É uma questão fundamental saber se há vida em Marte, porque se pudermos mostrar que a existência de vida na Terra não é única, estaremos mais perto de poder dizer que há vida por todo o universo", diz o cientista Colin Pillinger. "E isso é absolutamente fascinante."
Daqui a três anos, uma nova missão robótica pousará em Marte para determinar se o gás metano está sendo produzido por organismos ou não...

Metano em Marte

Cientistas identificam emissões de grande quantidade do gás no planeta, sugerindo atividade geológica ou até mesmo processos biológicos (foto: Mars Express)

..

Em estudo publicado na edição de 16 de janeiro da revista Science, os pesquisadores do Centro de Vôo Espacial Goddard, da Nasa, a agência espacial norte-americana, e de outros centros de pesquisa no país, descrevem que a quantidade de metano é comparável com a encontrada em alguns locais na Terra.

Os cientistas usaram espectrômetros de infravermelho de alta dispersão em três diferentes telescópios para monitorar cerca de 90% da superfície do planeta durante três anos marcianos (o equivalente a sete anos terrestres). Os dados foram comparados com outros enviados pela sonda Mars Express.

As emissões de metano observadas são de 2003 e, segundo os autores do estudo, implicam que o gás foi liberado de regiões distintas no planeta. Em um momento durante o período analisado, a “pluma” primária identificada continha estimados 19 mil toneladas métricas de gás, o que é comparável com a quantidade de metano liberada por uma bacia petrolífera na Califórnia.

Segundo os autores da pesquisa, mais estudos serão necessários para determinar a origem do metano marciano.

O artigo Strong release of methane on Mars in northern summer 2003, de Michael Mumma e outros, pode ser lido por assinantes da Science ...
..http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/6/6e/Globo_de_Marte_-_Elysium_Planitia.gif..

.http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/3/31/Globo_de_Marte_-_Valles_Marineris.gif.


..

.

Esta foto foi feita por uma câmara estéreo de alta resolução a bordo da Mars Express, em cores e 3D, em 15 de janeiro de 2004, a 273 km de altitude. Na imagem é visto o canal Reull Vallis, que um dia conduzia água no estado líquido e que agora está completamente congelado.


Foto: Agência Espacial Européia

.http://1.bp.blogspot.com/_eMBdJVlBjVo/SP5qu07dl2I/AAAAAAAAA0E/NiZRR8ThDjw/s320/fobos.jpg..


.Fobos é uma das duas luas de Marte. Com um diâmetro médio de 22,5 km é a mais próxima lua de Marte. Fobos foi descoberto por Asaph Hall em 18 de Agosto de 1877, justamente 6 dias após a descoberta de seu parceiro Deimos.

Fobos é, em todo o Sistema Solar, o satélite que orbita mais próximo do planeta-mãe: menos de seis mil quilómetros acima da superfície marciana. Encontra-se, por isso, abaixo da órbita síncrona para Marte. Por esse motivo, a sua órbita vai descendo a um ritmo de 1,8 m por século. Assim, dentro de 50 milhões de anos pode ocorrer uma de duas coisas: ou Fobos se despenha sobre Marte ou, o que é mais provável, antes que isso aconteça as forças gravitacionais destruirão o satélite criando um anel à volta de Marte.

..

...http://nivaldoribeiroblog.zip.net/images/martesunset1.jpg

Marte.



Na Terra, o metano tem origem primordialmente biológica; em Marte, ele poderia sinalizar a presença de micróbios vivendo em grande profundidade no subsolo. As mais recentes pesquisas sugerem que o metano marciano esteja concentrado tanto no espaço quanto no tempo - como uma série de pontos de concentração de centenas de quilômetros de extensão, formando plumas de fumaça de metano que florescem e se dissipam em menos de um ano.

As notícias sobre a detecção já vinham circulando entre os estudiosos de Marte há alguns meses, e bem no momento em que começa a ser discutido o local de operação do Mars Science Laboratory (MSL), um veículo de exploração de superfície de US$ 2 bilhões que deve ser lançado em 2009 para avançar os estudos do planeta.


O MLS transportará um instrumento capaz de detectar tanto a presença de sinais modestos de metano e de ajudar a discernir se eles têm origem geológica ou botânica. Uma das nuvens de metano supostamente detectadas cobre um dos sete possíveis locais de pouso do MSL: Nili Fossae, que não encontrou destaque como local de pouso entre a comunidade científica em uma avaliação conduzida em setembro, a qual não levou em consideração os detalhes emergentes sobre a presença de metano.


"Agora é como se tivéssemos placas no planeta que dizem 'ei, estou aqui, venham para cá!'", diz Michael Mumma, cientista planetário do Centro Goddard de Vôo Espacial da Administração Nacional da Aeronáutica e Espaço (Nasa), em Greenbelt, Maryland. Ele apresentou os resultados do trabalho de sua equipe em uma reunião da Sociedade Astronômica Americana em Ithaca, Nova York, no dia 11 de outubro.


Mumma vem argumentando em defesa da presença de metano em Marte desde 2003, quando algumas outras descobertas iniciais começaram a emergir. Um grupo, utilizando o telescópio financiado pela França, Canadá e Havaí no monte Kea, Havaí, encontrou índices planetários residuais de metano da ordem de 10 partes por bilhão, mas não conseguiu localizar outros detalhes.


Um segundo grupo, usando milhares de imagens espectrográficas obtidas pelo explorador orbital Mars Express, da Agência Espacial Européia (ESA), encontrou nível planetário semelhante de metano residual, com indicações de possíveis variações regionais de concentração. Mas parte do impacto desse estudo foi diluído quando o diretor científico, Vittorio Formisano, do Instituto de Física e Espaço Interplanetário de Roma, apresentou também alegações separadas sobre a presença de amônia e formol, que não foram substanciadas.


Mumma, um especialista em imagem espectrográficas, obteve dados de telescópios no Havaí e no Chile, para sustentar a idéia de pontos de concentração de metano.


Agora, ele diz que sabe ao certo e que está pronto a publicar seus resultados. Depois de acumular mais quatro anos de dados, Mumma confirmou a presença de metano equiparando quatro linhas em suas imagens espectrográficas da atmosfera do planeta à assinatura característica do metano - uma determinação mais definitiva do que análises anteriores - e encontrou mais provas de que o metano está concentrado em focos geográficos separados, com presenças da ordem de 60 partes por bilhão como pico de concentração.


"Os números dele mudaram consideravelmente ao longo do tempo. Mas Mike apresenta argumentos bastante convincentes¿, diz Steven Squyers, cientista planetário da Universidade Cornell, em Ithaca, e diretor científico dos veículos de exploração de superfície Spirit e Opportunity, que realizaram trabalhos de pesquisa em Marte.


Mais importante que os picos de concentração, diz Mumma, é a curta duração das nuvens de metano. Anteriormente, acreditava-se que o metano fosse destruído pela luz do sol na atmosfera - um processo lento que permite que o gás se misture com a atmosfera e persista por cerca de 300 anos.


Uma presença planetária da ordem de 10 partes por bilhão combinada a uma duração de centenas de anos significa que algumas centenas de toneladas de metano estariam chegando à atmosfera a cada ano: o equivalente ao trabalho de alguns poucos milhares de vacas.


Mas as nuvens de 60 partes por bilhão com duração de menos de um ano indicam ritmo de produção de metano algumas ordens de magnitude mais elevado. "Isso é importante", diz Sushil Atreya, da Universidade do Michigan em Ann Arbor, co-autor do estudo sobre o trabalho do Mars Express em 2004.


Determinar se a origem das nuvens de metano é orgânica ou geológica é impossível, por enquanto, de acordo com Atreya. Por exemplo, pode ser que haja micróbios vivos na região recoberta por uma espessa camada congelada, e o metano que emitem como resíduo poderia subir à superfície.


O metano também pode surgir de reações químicas nas quais rochas vulcânicas enterradas, ricas no mineral olivina, interagem com a água.


Uma terceira possibilidade seria que o metano esteja escapando de clatratos enterrados, depósitos de metano em forma de gelo formado no passado por um dos dois mecanismos mencionados acima.


Mas o próximo veículo de exploração de Marte da Nasa poderá analisar, em nível de partes por trilhão, as concentrações fracionais de isótopos de carbono em cada molécula de metano. A vida na Terra prefere processar os átomos de carbono 12, mais leves. E, assim, caso o metano de Marte tenha carbono 12, isso pode indicar origem biológica.


John Grotzinger, geólogo do Instituto de Tecnologia da Califórnia, em Pasadena, e diretor científico do MSL, diz que a detecção de metano pode ser importante na escolha do destino do veículo.


"Vamos considerar a questão seriamente", afirma. "Precisamos avaliar os dados e determinar se Nili Fossae é o único local em que isso acontece". Os resultados sobre o metano podem ser debatidos em um reunião no mês que vem, na qual os sete locais serão avaliados do ponto de vista da engenharia e segurança.


Uma alteração de prioridade quanto aos sites pode ser realizada, diz Grotzinger, mas ele precisa de dados sólidos para isso. "Palestras não contam. O estudo precisa ter sido publicado", .

.http://4.bp.blogspot.com/_eMBdJVlBjVo/SQi_OY18x7I/AAAAAAAAA2U/JhsXmCqT31Y/s320/silicatos+hidratados+de+marte.jpg..

.Uma sonda detectou a presença de sílica hidratada em Marte, informou a Nasa, a agência espacial americana,. A descoberta do mineral hidratado, popularmente conhecido como opala, sugere que a água esteve presente na superfície do planeta por dois mil milhões de anos a mais do que imaginavam os cientistas.As evidências recolhidas pela sonda Mars Reconnaissance Orbiter reacenderam a suspeita de que a água teve um importante papel na formação geológica e na sustentação da vida em Marte.


"Essa é uma descoberta excitante porque estende a existência de água líquida e determina os espaços onde ela pode ter mantido seres vivos", declarou o pesquisador Scott Murchie, da Universidade John Hopkins.

Os minerais hidratados recém-descobertos são o tipo mais jovem já encontrado em Marte. Eles costumam se formar no encontro de materiais produzidos por atividade vulcânica ou pelo impacto de meteoritos com água. Antes deles, outros dois minerais com água haviam sido descobertos na superfície marciana, os filossilicatos e os sulfatos. Um artigo publicado na edição de novembro da revista científica Geology descreve a descoberta.

.
..Vida e evidências.
otografia tomada pelo MOC (Mars Orbiter Camera), um satélite para mapeamento fotográfico de Marte que, a uma latitude de -82,02 °, longitude 284,38 ° (próximo ao pólo sul marciano) tenha filmado algo totalmente incrível, mas ainda negligenciada : É um tipo de vegetação em Marte.
A fotografia é a número M08-04688.

marstrees


Detalhe da fotografia M08-04688 MOC tomadas por satélite que mostra a superfície Marte.


Como se pode ver na imagem, formas muito semelhante às grandes árvores (com ramificações) pelo visto acima são visíveis.

Por exemplo, vamos comparar com a foto do MOC com esta outra fotografia, que retrata uma árvore terrestre: há realmente muitas semelhanças.

etree

etree2

Para concluir, uma "tira" tomada pelo MOC, que mostra plantas se tornando mais e mais espessas, e na verdade, criando uma floresta.

Um fenômeno geológico vagamente semelhante a isto não existe absolutamente.

moc1

Como se pode ver na imagem, formas muito semelhante às grandes árvores (com ramificações) pelo visto acima são visíveis.
Por exemplo, vamos comparar com a foto do MOC com esta outra fotografia, que retrata uma árvore terrestre: há realmente muitas semelhanças..

.

Esta não é a única evidência de vida vegetal sobre o planeta vermelho, como mostram as imagens captadas pelo MOC, existe aquilo que poderia ser cultivado entre os pincéis das dunas.

mars spots

Vamos compará-lo com esta fotografia por satélite mostrando uma área do deserto da Austrália:

australia

Nesta imagem da superfície marciana, podemos observar que é semelhante a uma árvore visto de cima:

mtrees

Aqui vemos o que realmente parece ser um lago (foto MOC m0901354, 2.75m/pixel):

marslake

Também neste caso (MOC m0902042):

marslake2

A foto seguinte foi adquirida pela sonda Opportunity em 19 de dezembro de 2004 e ela não necessita de comentários (para a direita, há uma ampliação da caixa amarela).


marsw

Aqui temos duas outras imagens que mostram o significativo crescimento da vegetação sobre o planeta vermelho (MOC m1001442):

marsbush1

marsbush2

Há que referir que, infelizmente, a Mars Global Surveyor tem uma câmera (MOC), que mostra apenas o vermelho e o azul, mas não o verde. É provavelmente a única câmera que tenha sido construída com esse recurso, e eu deixo a sua imaginação no que pode ser a razão para esta escolha tecnológica ....
Nota Final:

Provavelmente nem todas as pessoas sabem que certa quantidade de metano foi encontrado na atmosfera marciana (foi detectado pela Mars Express, através da NASA Infrared Telescope Facility, no Havaí, pelo observatório internacional Gemini Sul, no Chile, pela Mars Express Planetary Fourier Espectrómetro (PFS) etc ..).
O metano não é uma molécula estável na atmosfera, ele desaparece depois de algumas centenas de anos. Então, se ainda é muito presente, ele deve ser regenerado de alguma forma. Duas são as possibilidades: ou atividade vulcânica ou produção bacteriana.
Existe também uma terceira hipóteses: o metano pode ser gerado pelo impacto de um cometa em Marte, mas ninguém encontrou qualquer sinal de colisão recente na superfície, e mesmo assim ela não poderia ter produzido efeitos mais duradouros.
É difícil apoiar a primeira hipótese, porque a TES sobre Mars Global Surveyor e Mars Odyssey sobre o Themis (sensores térmicos com resolução de 100 metros) nunca detectou qualquer atividade vulcânica em Marte.
Depois, a segunda hipótese que é o mais provável, que parece haver algum tipo de atividade biológica em Marte.
Nota: atualmente existe a real possibilidade de se observar as florestas e lagos em cores e com grande detalhe, a prova é a fotografia tirada da órbita da Mars Reconnaissance Orbiter que mostra perfeitamente a sonda Opportunity na superfície do planeta vermelho, e mesmo as faixas que as suas rodas deixaram sobre a areia. Nesse ponto, surge uma pergunta: Poderemos esperar que a NASA tire fotos das zonas mais interessantes, e finalmente, resolver alguns mistérios?

PIA08816detail